May 4, 2020 Bruna Silva 0Comment

Os cigarros eletrônicos (também chamados de dispositivos vaping, JUUL e canetas vape) foram desenvolvidos na China em 2003 e introduzidos nos Estados Unidos em 2007 como uma alternativa “mais saudável” ao fumo de cigarros tradicionais, com o objetivo de ajudar fumantes pararem.

Esses dispositivos são movidos a bateria e sem tabaco, geralmente contêm nicotina, aromas e outros produtos. Em vez de inalar fumaça, os usuários de cigarros eletrônicos inalam um vapor de aerossol dos ingredientes.

Há evidências científicas de que o vaping tem menos efeitos prejudiciais à saúde do que os cigarros tradicionais. Logo, os cigarros eletrônicos são considerados um pouco mais seguros do que os cigarros de alcatrão. 

Regulamentação dos cigarros eletrônicos nos EUA

Originalmente, os produtos vaping não eram regulamentados pelo governo, então o controle de qualidade era uma grande preocupação e os cigarros eletrônicos podiam ser vendidos para jovens. 

Isso mudou em agosto de 2016, quando, devido à crescente preocupação com a segurança e a explosão do uso de cigarros eletrônicos por adolescentes, o Departamento de Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) regulamentou esses produtos.

O tabagismo tradicional reduziu entre os jovens, porém durante um período aumentou bastante entre os jovens o uso do cigarro eletrônico. Por isso, os especialistas de marketing estão trabalhando bastante para reduzir o consumo de jovens, mudando as estratégias. 

Comparado ao tabagismo, o cigarro eletrônico é 90% mais seguro

De acordo com um estudo realizado na Royal of Physicians (RPC), no Reino Unido, constatou que o dano provocado pelo fumo, acontece devido à queima das folhas do tabaco, pois a sua fumaça é tóxica e cancerígena. 

Como o cigarro eletrônico é livre de tabaco, ele não apresenta tais riscos. Onde o seu uso pode ser considerado como uma ferramenta importante para a redução dos danos que foram causados pelo uso constante do cigarro tradicional. 

Cigarros combustíveis vs. E-cigarros

Sabemos que o vaping é menos tóxico que os cigarros combustíveis. A fumaça tradicional do cigarro contém mais de 7.000 toxinas, incluindo 250 compostos tóxicos e 70 químicos causadores de câncer.

As emissões do cigarro eletrônico, por outro lado, contêm muito menos toxinas, porque o vapor não é um subproduto da queima de matéria orgânica, mas do aquecimento do líquido contendo nicotina, que faz com que ele se vaporize. 

No entanto, continua sendo menos agressiva que do cigarro tradicional, com menos riscos e sem riscos para a saúde. 

Melhoria significativa dos sentidos corporais, como o olfato

Normalmente, existe uma surpresa muito grande, quando as pessoas conseguem abandonar o uso do cigarro tradicional e começam a sentir cheiros e sabores que antes passavam desapercebidos. 

É possível voltar a sentir o gosto dos alimentos, da sua comida preferida, daquele doce com sabor de infância. E os cheiros maravilhosos, como o perfume das flores, o cheiro do café fresco entre outros. 

Tudo isso pode ser recuperado em poucos dias após abandonar o uso do cigarro tradicional. O uso do cigarro eletrônico só vai te ajudar a sentir com mais intensidade os cheiros e sabores.